O Morocco Desert Challenge é um rali diferente, pois contrariamente à regra não tem uma maioria de latinos, a cultura dominante aqui é germânica.


E com isso, tudo muda. Tudo é mais objectivo e direto, a mim falta-me a subtileza das relações pessoais...aprendo por aqui que o realmente nos divide não é a grande diversidade de línguas, mas sim as tradições e a cultura de cada povo.


Por tudo que referi antes as verificações deixam de ser um encontro meio festivo para ser algo mais eficaz mas menos vivido.


Tudo funciona bem e é organizado, mas é bastante diferente do que estou habituada. O parque de trabalho obedece a um plano previamente estabelecido e tudo encaixa bem. Pouco a pouco os mecânicos vão interagindo entre eles, mas novamente a cultura e hábitos dos povos fazem aparecer os grupos.


A população tem a habitual curiosidade e amabilidade mas também a atitude comercial que caracteriza estas paragens.


Nós necessitámos de azoto, que não é coisa que se venda no supermercado, e duas horas depois aqui estava a garrafa com manómetros e tudo...

Gosto, desde há muito, do Reino de Marrocos e dos seus povos. Por aqui sinto-me segura. Agora concentro-me na corrida pois os adversários têm camiões bem preparados e uma grande experiência nestas lides.


Veremos amanhã no primeiro acampamento como tudo se desenrolará.