João Sousa, campeão em título do Estoril Open, foi eliminado na segunda ronda da prova pelo belga David Goffin, em dois ‘sets’, pelos parciais de 6-3 e 6-2. O número um nacional, 51.º tenista do ranking mundial, não resistiu à consistência do ‘wild card’ belga, quarto pré-designado da prova lusa em terra batida, que selou o triunfo e consequente acesso aos quartos de final em uma hora e 20 minutos.

No final do jogo, o tenista português admitiu a superioridade do adversário e mostrou-se surpreendido com o nível de ténis apresentado por David Goffin.

"Acho que o David [Goffin] esteve muito bem. Demonstrou o porquê de já ter estado no top-10 mundial. Eu não consegui encontrar soluções para tentar virar o encontro a meu favor, não consegui jogar praticamente da forma que tínhamos pensado jogar. Também mérito do David por ter jogado um bom encontro, acho que não há grande coisa a dizer. Ele foi melhor do que eu, conseguiu jogar a um nível muito mais alto do que o meu e é merecedor desta vitória", começou por dizer João Sousa em conferência de imprensa.

"É verdade que fiquei surpreendido [com o nível do ténis apresentado por David Goffin]. Ele não tem vindo a fazer bons resultados. Mas os jogadores como o David a qualquer semana conseguem jogar a um grandíssimo nível. Não quer dizer que estes jogadores joguem a este nível para a semana, mas é verdade que me surpreendeu o nível que ele se exibiu hoje. Fez um grande encontro e tenho de lhe dar os parabéns", acrescentou João Sousa.

Questionado sobre as dificuldades para travar o serviço do tenista belga, João Sousa frisou que o adversário esteve muito bem a nível táctico. O número 1 português considerou ainda que não fez um mau jogo e que houve sim mérito de Goffin no triunfo.

"Acho que o David é um jogador que não serve muito rápido, mas serve muito colocado. Gosta de jogar com grandes percentagens de primeiro serviço e às vezes é complicado. Mas acho que ele tacticamente jogou muito bem contra mim. Não é que eu tenha dificuldades nesse tipo de serviços mas a verdade é que hoje não respondi bem, não consegui ser acutilante, não consegui ser agressivo, ele foi muito mais agressivo do que eu. Eu estava sempre a defender, nunca era eu a comandar os pontos, mas acho que é mais mérito dele do que eu ter feito um mau jogo", explicou João Sousa.

Sobre se esta tinha sido uma derrota mais amarga pelo facto de chegar ao Estoril Open com o estatuto de campeão em título, João Sousa frisou que 'todas as derrotas são amargas' mas admitiu que é mais duro perder quando está a jogar 'em casa'.

"Qualquer derrota é amarga. Neste caso perder em casa com o público a tentar puxar por ti e tu não conseguires fazer um bom encontro é duro. Obviamente que é duro de aceitar que o outro foi melhor do que tu. Não consegui arranjar soluções para o ténis dele. E quando é assim há que aceitar. Há que tentar melhorar, ser melhor jogador. Tentar continuar a trabalhar, é duro porque tenho vindo a trabalhar muito bem e os resultados não têm sido aquilo que nós esperávamos. Sinto-me um jogador muito mais completo mas os resultados não me têm acompanhado nesse sentido. Mas o ténis é assim, por muitas vezes é frustrante mas há que continuar e oxalá que possa fazer melhores semanas no futuro", sentenciou João Sousa.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.