A violência sexual sobre crianças e jovens é um “problema social” que também existe no desporto, setor que quer alertar e sensibilizar os seus agentes para um tema “desconfortável”, ao qual admite não estar imune.

Coube hoje ao Instituto Português do Desporto e da Juventude (IPDJ) apresentar a campanha ‘Start to Talk’, um projeto de prevenção e resposta a situações de potencial violência sexual contra crianças e jovens no Desporto.

“Sabemos que sendo um problema social o desporto não está imune a esta situação e esta campanha visa sensibilizar o movimento desportivo para um problema que é pouco conhecido”, referiu à agência Lusa Vítor Pataco, presidente do IPDJ.

A cerimónia, no Museu do Desporto, em Lisboa, contou com a presença do secretário de Estado do Desporto e Juventude, João Paulo Rebelo, da presidente Comissão nacional de Promoção dos Direitos e Proteção das Crianças e Jovens, Rosário Farmhouse, e a responsável do Departamento de Direitos das Crianças e valores do Desporto do Conselho da Europa, Elda Moreno.

“Uma em cada cinco crianças é vítima, segundo os estudos [Conselho da Europa, 2007]. O desporto deve assumir responsabilidade e ter uma resposta, agentes desportivos, associações, clubes, devem fazer tudo para expurgar comportamentos perversos”, assinalou Vítor Pataco.

Rosário Farmhouse explicou que a maioria dos casos de abuso envolve proximidade com a criança, o que ainda torna mais “difícil denunciar”.

“São inúmeras as iniciativas para chamar a atenção para um tema que ainda é tabu”, disse a responsável, explicando que tornar os jovens mais capacitados também os torna mais protegidos e que saibam que têm o direito de dizer não.

Na apresentação do projeto, integrado no Conselho da Europa, na campanha ‘Starttotalk’ (www.starttotalk.org), Elda Moreno revelou que Portugal é o segundo país a juntar-se à iniciativa, reiterando que a maioria dos casos de violência envolve “pessoas de confiança”.

“Está nas mãos dos adultos que as crianças percam o medo, com a parentalidade positiva”, acrescentou a representante do Conselho da Europa, apelando a uma relação que permita às crianças expressarem-se, sem o medo de uma reação negativa.

O secretário de Estado da Juventude e Desporto, João Paulo Rebelo, lembrou que o Desporto é praticado no país por milhares de jovens e crianças, o que traz ao Estado responsabilidades partilhadas.

“Um direito que traz ao Estado uma obrigação, que envolve agentes desportivos, de criar ambientes seguros e saudáveis para a prática desportiva”, frisou João Paulo Rebelo, saudando a parceria com os treinadores e com a Comissão nacional de Promoção dos Direitos e Proteção das Crianças e Jovens.

Na cerimónia foi apresentado um kit de formação para prevenção e resposta, que João Paulo Rebelo considerou útil, como informação especializada e técnica, que permite “começar a falar, quebrar o silêncio”.

“Vamos ter um conjunto de ferramentas e conteúdos digitais pendurados no site, e vai haver uma atividade no sentido de sensibilizar as pessoas”, acrescentou Vítor Pataco, do IPDJ, apontando o objetivo de entrar “no sistema desportivo”.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.