O recordista mundial da meia maratona, Zersenay Tadese, e a campeã mundial da maratona, Rosa Chelimo, são as figuras de proa da prova mais curta que se vai disputar no domingo, em Lisboa, anunciou hoje a organização.

Carlos Móia, principal responsável da entidade organizadora, apresentou a elite para a maratona e meia maratona lisboeta, salientando forte adesão de participantes, mas insurgindo-se contra as "provas selvagens", que surgem em sobreposição no calendário.

"Existem mais de 80 provas selvagens, que se realizam nas mesmas datas das provas mais credenciadas, que levam a uma quebra importante nas participações", afirmou o presidente do Maratona Clube de Portugal, dando a justificação de as grandes provas, mesmo na Europa, registarem quebras de 15 a 20% nas participações.

Apesar das dificuldades, Móia destacou “o aumento significativo de estrangeiros”, que “já passam os 20.000 participantes”: “Só nesta prova temos 6.000 corredores estrangeiros em representação de 56 países", anotou, antes de chamar a atenção para um forte grupo de corredores de elite.

E este será um dos conjuntos mais fortes dos últimos anos na maratona para tentar bater o recorde do percurso, que é de 2:08.21 horas, estabelecido em 2014, por Samuel Wanjiku Ndungu, do Quénia, que foi convidado - e aceitou - a regressar à prova para essa tentativa (tem um recorde pessoal de 2:07.04).

Com o queniano estarão dois outros vencedores da prova, que o Maratona Clube de Portugal realiza desde 2013, os compatriotas Alfred Kering (2:07.11 de recorde pessoal), vencedor em 2016, com 2.10.27, e Ishhima Bushendish (2.08.20 de recorde pessoal), vencedor no ano passado, com 2.10.51 (segundo na maratona de Viena, este ano).

"Estou muito agradecido por regressar a esta prova e, posso adiantar, que nas conversas que temos tido entre corredores existe uma determinação de lutarmos para superar esse recorde. Claro que, pessoalmente, desejo ser eu a batê-lo", referiu o atleta queniano.

A seu lado, estava Hermano Ferreira, do Benfica, um dos melhores portugueses, que se "estreia" numa maratona em Portugal.

"A minha ambição é fazer o melhor possível e com isso bater o meu recorde pessoal [2:13.28]. Tenho feito uma preparação que me tem agradado bastante, até porque me sinto motivado pelo facto de a organização ter acreditado em mim", referiu o benfiquista, que espera bater o recorde pessoal e dessa forma ter condições para poder ser convocado para os Mundiais.

Em femininos, a etíope Guteni Shone (2:23.32 de recorde pessoal) é a mais rápida das maratonistas presentes e uma das atletas que poderá tentar chegar perto do recorde da maratona, que é de 2:24.13 e pertence a Sarah Chepchirchir (Quénia), desde 2016.

Na meia maratona, destaca-se a participação do recordista mundial da distância (58.23 minutos), o eritreu Zersenay Tadese, que após várias presenças em Lisboa, na meia maratona de março, pretende estrear-se nesta prova e atacar o seu recorde (60.19, de Wilson Kirop, em 2013).

Na primeira linha de favoritos estão ainda o queniano Japhet Korir (60.09) e o eritreu Amanuel Mesel (60.10), quarto em Lisboa, em 2016, o tanzaniano Emanuel Gnik (60.47), vencedor da meia maratona de Xangai em 2017, e o turco Polat Kemboi Arikan (61,03), campeão europeu de 10.000 metros em 2012 e 2016 e 13º na ‘meia’ de Lisboa, em março passado.

Entre as mulheres, destaca-se a presença de Rose Chelimo, do Bahrain (68.08), campeã mundial de maratona em 2017 e vencedora da meia maratona de Lisboa em 2015, e da israelita Lonah Chemtai Salpeter (68.59), campeã europeia de 10.000 metros este verão, em Berlim, depois de ser 12ª classificada no Mundial de meia maratona.

"É muito agradável correr em Lisboa, sinto-me confortável e espero corresponder com o meu melhor justificando o facto de ser favorita", disse a atleta do Bahrain.

Um dos pontos fortes da prova prende-se com a participação de várias das melhores atletas portuguesas, como Dulce Félix, do Benfica (1:08.33), a melhor portuguesa de sempre na prova, com o seu segundo lugar de 2009 (1:10.44), e as sportinguistas Sara Moreira (1:09.18), campeã europeia de meia maratona, também com um segundo lugar, em 2014, Jessica Augusto (1:09.08) e Carla Salomé Rocha (1.13.01), vinda de um excelente oitavo lugar em Berlim, com recorde pessoal (2:25.27).

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.