Atletas timorenses, alguns com aspirações de se qualificarem para competições internacionais, vão ser o rosto dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) em Timor-Leste, depois de um acordo assinado hoje com as Nações Unidas.

Representantes do Comité Olímpico Nacional de Timor-Leste e da missão da ONU em Timor-Leste assinaram hoje em Díli um acordo que escolherá vários atletas timorenses como “Embaixadores do Desporto para o Desenvolvimento Sustentável”.

O acordo, que quer ajudar a dar a conhecer entre os jovens a importância do desenvolvimento sustentável e de que assumam papéis de liderança nas suas comunidades, foi assinado em Díli.

Para o coordenador residente da ONU, Roy Trivedy, o desporto pode ser um facilitador do desenvolvimento sustentável e da paz.

“O desporto promove tolerância e respeito. Pode fomentar a disciplina e promover o trabalho em equipa. Também pode contribuir para o empoderamento das mulheres e dos jovens, indivíduos e comunidades, além de impulsionar os objetivos de saúde, educação e inclusão social”, referiu.

O vice-presidente do Comité Olímpico timorense, Mateus da Cruz de Carvalho, disse que o acordo permitirá consolidar esforços de inspirar e unir os timorenses através da excelência e do sucesso desportivo.

“A nossa organização tem procurado formas de promover os atletas de Timor-Leste, não apenas para melhor desempenho nos seus respetivos campos desportivos, mas também para serem modelos na sociedade, liderando atividades comunitárias”, disse.

Por isso, explicou, o COTL quer “incentivar a participação no desporto como um meio de construir caráter, manter-se saudável, preservar o meio ambiente e promover a harmonia e a interação social".

O grupo de atletas que participará no projeto vai agora ser selecionado, podendo vários deles, já como “embaixadores do desenvolvimento”, participar nos campeonatos mundiais de natação, no Asian Games e nos Olímpicos do próximo ano.

Os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável foram adotados por líderes mundiais para incentivar os países a tomar medidas para acabar com todas as formas de pobreza, combater a desigualdade e combater as mudanças climáticas, entre outros objetivos.

Em outubro, nos Asian Games, atletas timorenses conquistaram as primeiras medalhas de sempre numa competição internacional.

Teófilo Freitas, que conquistou duas medalhas de ouro, e Pascoela dos Santos Pereira, que conquistou o bronze - as primeiras para Timor-Leste -, foram recebidos como heróis no domingo passado quando chegaram a Díli depois de competirem na 3ª edição dos Asian Para Games.

Teófilo Freitas, que tem dificuldades motoras, fez história com a conquista do primeiro ouro para Timor-Leste em qualquer competição internacional, com vitórias nos 400 metros, onde obteve um recorde asiático, e nos 1.500 metros, com registo máximo da competição.

No último dia da prova, nos 1.500 metros, Freitas obteve o tempo de 4.32,74 minutos, ficando à frente do tailandês Surasaj Damchoom e do iraquiano Ali Rsaitmawi.

O atleta já tinha conquistado o primeiro ouro dias antes, estabelecendo um recorde asiático nos 400 metros na final da prova.

O vídeo da cerimónia da entrega de medalhas e do hino timorense, em português, a ser tocado no estádio em Jacarta, foi partilhado dezenas de milhares de vezes nas redes sociais.

A primeira atleta a escrever história - dando a primeira medalha de sempre a Timor-Leste -, foi Pascoela dos Santos Pereira, que conquistou bronze em ténis de mesa.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.