Na estreia de Marcel Keizer e ao fim de 18 jogos realizados esta temporada, o Sporting conseguiu marcar quatro golos num jogo, mas a verdade é que o triunfo (4-1) sobre o Lusitano Vildemoinhos, que permitiu aos 'leões' seguir em frente na Taça de Portugal, acaba por ser exagerado a avaliar pelo trabalho que a equipa do terceiro escalão deu aos visitantes. O treinador holandês só pôde respirar na segunda parte, depois dos três golos de ‘rajada’ de Bruno Fernandes, Bas Dost (que já havia marcado no final de um primeiro tempo eletrizante) e Diaby. Avança o Sporting para os 'oitavos' e despedem-se os viseenses, de cabeça erguida, apesar de tudo.

O Lusitano foi perigoso nos primeiros minutos, procurando aproveitar falhas do Sporting no setor recuado. Foi assim que, logo aos três minutos, Rodrigo Braz rematou ao lado da baliza de Renan, após uma perda de bola de Mathieu. Os 'leões' conseguiram estabilizar-se e assumir o controlo do jogo mas foram desperdiçando ocasiões - destaque para a exibição de Wendel, claramente a querer mostrar serviço a Marcel Keizer, ele que nunca contou para os últimos três treinadores do Sporting. Aos 36', a equipa ‘leonina’ esteve muito perto do golo. Diaby cruzou da direita, Ruca desviou a bola para a zona de penálti, onde surgiu Bruno Fernandes a rematar à vontade, mas por cima do ferro.

O Sporting tentava chegar ao golo a partir de cruzamentos das duas alas e foi isso que acabou por acontecer, aos 42 minutos, com um centro rasteiro de Jefferson - também ele uma surpresa na equipa inicial dos 'leões' - a descobrir Bas Dost, que só teve de encostar para dentro da baliza. A resposta do Lusitano demorou apenas dois minutos. Nuno Rodrigues tirou a bola a Bruno Fernandes, acelerou pela direita e cruzou para o cabeceamento certeiro de Diogo Braz, a colocar a bola por baixo das pernas de Renan.

Na segunda parte, foi preciso esperar dez minutos para ver o Sporting a criar perigo e outros dez para a equipa lisboeta se adiantar no marcador. Os 'leões' debatiam-se com a facilidade com que o Lusitano fechava linhas de passe e Marcel Keizer parecia já debater-se com a falta de soluções dos seus homens. Até que que surgiram as individualidades. Aos 64 minutos, Bruno Fernandes, entregou de calcanhar a Bas Dost, com o avançado a devolver ao médio internacional português, que finalizou de pé esquerdo.

Esperava-se nova reação por parte do Lusitano mas aos 71' Bas Dost bisou na partida, uma vez mais assistido por Jefferson. O golo de Diaby  (o primeiro de leão ao peito) surgiu logo a seguir, após uma jogada bem construída pela esquerda, com a equipa beirã claramente em decrescendo e sem pedalada para correr atrás do prejuízo até ao apito final. Na zona de entrevistas rápidas, Bruno Fernandes resumiu na perfeição o que foi esta partida: “Temos valores individuais muito fortes, mas o que ficou verdadeiramente demonstrado é que, fazendo as coisas simples, a um, dois toques, tabelas, cruzamentos conseguimos marcar golos. A simplicidade com que resolvemos o jogo faz com que o nosso futebol saia mais fluido.”

Os melhores

Bas Dost: Dois golos que evidenciam (se é que ainda era preciso) a preponderância do avançado holandês na equipa: no primeiro marcou com um desvio de pé direito, no segundo usou a cabeça.

Wendel: Foi basilar no apoio ao ataque 'leonino', surgindo com frequência em zonas de finalização. Esteve perto do golo na primeira parte em dois remates de longe. Merece mais oportunidades no Sporting de Keizer.

Os piores

Mathieu: Esteve menos concentrado que o habitual. Começou o jogo com um falhanço logo aos três minutos, e terminou a errar numa tentativa de corte - valeu o remate por cima de Lucas Klysman.

Nani: Exibição muito discreta do capitão do Sporting. E

Reações

Marcel Keizer: "Foi um bom dia para nós"

Bruno Fernandes: "Toda a gente está contente com os métodos do mister"

Rogério Sousa: "Fomos dignos vencidos"

Diogo Braz: "Sporting foi claramente superior na segunda parte"

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.