O Cova da Piedade anunciou hoje que vai fazer uma exposição ao Conselho de Arbitragem da Federação Portuguesa de Futebol, por se sentir prejudicado pela arbitragem no encontro com o Mafra (1-1), e pediu “respeito” pelo clube.

O diretor desportivo, Edgar Rodrigues, apresentou-se na conferência de imprensa com o treinador João Alves, munido das imagens do lance do golo invalidado aos piedenses pelo juiz do encontro, Dinis Gorjão (AF Setúbal), a fim de comprovar o erro que diz ter prejudicado o clube numa “situação estranhíssima”.

“A bola passa pelo meio dos dois centrais do Mafra, o árbitro olha para o fiscal de linha e valida o golo. Nunca vimos na II Liga, que não tem videoárbitro, invalidar o golo, passado mais de um minuto, por indicação do fiscal de linha que não está no enfiamento do lance”, criticou Edgar Rodrigues.

Ao seu lado, o treinador João Alves corroborou a opinião do dirigente e referiu que os profissionais de futebol “têm de ser respeitados independentemente do clube” que representam.

“Não pode voltar a acontecer. Não queremos qualquer tipo de benefício no futuro, o que queremos é que este senhor meta a mão na consciência e veja que cometeu um grande erro e lesou o Cova da Piedade em dois pontos”, acusou o ‘Luvas Pretas’.

O lance em questão deu-se aos 64 minutos, quando Cova da Piedade e o Mafra estavam empatados (1-1) e Sylla introduziu a bola na baliza dos visitantes, na sequência de um canto.

O árbitro validou o golo, inicialmente, ao apontar para o meio campo, mas voltou atrás na decisão e assinalou fora de jogo posicional a Edinho, após conferenciar com o auxiliar José Mira durante cerca de um minuto.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.