O presidente Armando Silva recusou a recandidatura às eleições dos órgãos sociais do Desportivo das Aves para o biénio 2020-2022, em 27 de junho, anunciou hoje o líder do último classificado da I Liga de futebol.

“Atingi um desgaste pessoal e profissional grande. Sinto-me satisfeito e orgulhoso por todo o trabalho que fiz enquanto presidente em prol do clube, do qual sou sócio há 40 anos. Chegou o momento de dar lugar a outras pessoas”, justificou ​​​​​​​o dirigente em comunicado.

Na liderança avense desde a temporada 2010/11, Armando Silva, de 56 anos, foi reeleito sem oposição em abril de 2018, com 90% dos votos, dois meses antes de assistir a mudanças na administração da SAD, na qual detém 10% de capital desde agosto de 2015, face aos restantes 90% controlados pelo grupo de investidores ‘Galaxy Believers’.

“Desde a minha chegada passámos por momentos difíceis e importantes, como a criação obrigatória da SDUQ [Sociedade Desportiva Unipessoal por Quotas] e a passagem a SAD [Sociedade Anónima Desportiva] numa assembleia geral histórica. Construí o complexo, que aumentou a qualidade do futebol de formação e deu mais dignidade ao clube”, frisou.

Recordando que “todo o restante património permanece na posse do clube sem qualquer ónus”, Armando Silva congratula-se pelo trabalho realizado fora do âmbito do futebol profissional, no qual coordenou diversas campanhas do Desportivo das Aves na II Liga, antes do regresso consumado ao principal escalão em 2016/17.

“Mantive o futsal masculino e feminino, criámos a secção de voleibol feminino e somos um clube certificado pela Federação Portuguesa de Futebol. Nesta minha saída, agradeço a todos os que me acompanharam ao longo destes anos e fico com uma grande certeza: não farei a outros o que me andam a fazer nestes últimos meses”, apontou.

O sufrágio deveria ter ocorrido em 09 de maio e foi suspenso três semanas antes devido à pandemia de covid-19, sem candidaturas anunciadas e em articulação com as restrições sanitárias, transitando do estádio para o pavilhão do emblema de Santo Tirso, que ocupa o último lugar da I Liga, com 13 pontos em 24 jornadas, nove abaixo da zona de salvação.

O Desportivo das Aves trabalha na máxima força para a receção ao Belenenses SAD, 13.º colocado do campeonato, com 26 pontos, em 05 de junho, à exceção de um jogador que permanece em isolamento e cuja identidade não foi revelada, após ter apresentado na segunda-feira um resultado inconclusivo no segundo teste de despistagem à covid-19.

Os nortenhos têm atravessado uma série de contrariedades desportivas, diretivas e financeiras desde agosto e podem perder dois a cinco pontos pelo atraso salarial verificado entre dezembro de 2019 e fevereiro de 2020, que a SAD justificou com a paralisação da atividade económica na China, motivada pelo novo coronavírus.

O processo seguiu da Liga de clubes para o Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol em 03 de abril, originando as rescisões unilaterais do guarda-redes francês Quentin Beunardeau e do avançado brasileiro Welinton Júnior, enquanto a administração do chinês Wei Zhao liquidava verbas aos plantéis principal e sub-23.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.