"Os juízes desembargadores abstiveram-se de enfrentar a matéria de um recurso, que consistia na questão de saber o efeito de um outro", disse à Agência Lusa o advogado que defende o presidente da Académica.

Apesar da recusa em apreciar o recurso, Rodrigo Santiago disse estar convicto de que este acto poderá "ter algum reflexo na celeridade processual", pelo que prevê a marcação do julgamento para "entre o Natal e a Páscoa" dos oito crimes de que é indiciado José Eduardo Simões.

O presidente da Académica é acusado num primeiro processo de quatro crimes de corrupção passiva por acto lícito e quatro crimes de corrupção passiva por acto ilícito, cuja moldura penal poderá ir de um a oito anos de prisão.

José Eduardo Simões, enquanto era director do urbanismo de Câmara Municipal de Coimbra, entre 2002 e 2005, foi indiciado de ter beneficiado alguns elementos do ramo imobiliário na aprovação de licenças de construção em troca de donativos para a Académica, tendo sido inclusivamente encontrados na sua viatura vários envelopes com dinheiro, que o mesmo alegou ser para pagar aos jogadores do plantel academista.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.