O Sporting esvaziou o balão de confiança que se encheu com a goleada na Liga Europa ao sair derrotado este domingo de Barcelos, por 3-1, num triunfo mais do que justo do Gil Vicente. A equipa de Vítor Oliveira adiantou-se aos 18 minutos, através do búlgaro Kraev, os leões ainda igualaram nos descontos da primeira metade, por Wendel (45+4), tendo os golos de Sandro Lima, aos 55', de grande penalidade, e de Zakaria, aos 90+9', sentenciado o encontro a favor da formação gilista.

Em relação à vitória contra o PSV, na quinta-feira, Silas operou apenas uma mudança na equipa inicial, com Jesé Rodríguez a entrar por troca com Bolasie. Destaque ainda para a permanência de Luís Maximiano na baliza - estreia na Liga Portuguesa aos 20 anos e 10 meses -, relegando Renan para o banco de suplentes.

No Gil Vicente a grande nota vai para o regresso de Sandro Lima, que se tinha lesionado no aquecimento do jogo da Taça de Portugal contra o SC Braga.

O jogo começou com o Sporting a pedir grande penalidade, aos 2 minutos, num lance com Jesé e Henrique Gomes, mas o árbitro Hugo Miguel consultou o VAR e mandou seguir. No minuto seguinte, Sandro Lima tentou assustar Luís Maximiano de bicicleta, após um cruzamento pela direita, mas acertou mal na bola.

Não tendo tanta bola, o Gil Vicente mostrava-se nesta altura mais capaz de chegar à área leonina, e aos 18 minutos colocou-se em vantagem, aproveitando um enorme erro de Tiago Ilori junto à linha lateral, a meter a bola curta, com Sandro Lima a intercetar e a servir Kraev para o 1-0 - ainda se esperou três minutos pela confirmação do VAR.

A equipa de Vítor Oliveira não descansou depois do golo e voltou a assustar aos 25 minutos, num remate forte de Sandro Lima em direção à bancada, e depois aos 27’ com Yves Baraye a aparecer pela direita com espaço, mas o remate a sair torto.

O tempo passava e o Sporting, apesar de ter mais bola, continuava sem rematar à baliza adversária, o que prova a incapacidade ofensiva da formação de Silas. Só nos últimos cinco minutos da primeira parte os leões foram capazes de visar a baliza de Denis, primeiro com Wendel a aparecer com muito perigo pela esquerda e a atirar à malha lateral.

Acabou por ser o brasileiro a fazer o golo da igualdade, já em cima do intervalo. Tudo começou numa bola longa de Bruno Fernandes para a esquerda, onde Wendel apareceu nas costas do adversário e rematou para a baliza, deixando a sensação de que Denis podia ter feito bem melhor.

A segunda parte começou com uma alteração no lado do Gil Vicente – Lourency entrou para o lugar de Arthur Henrique – e uma grande penalidade assinalada a seu favor, por falta de Marcos Acuña sobre Baraye. Chamado à conversão, Sandro Lima enganou Maximiano e colocou os gilistas novamente na frente – sexto golo do avançado na I Liga.

Aos 67' Luiz Phellype caiu na área, depois de uma disputa com um adversário, mas Hugo Miguel mandou seguir. Silas aproveitou a quebra de ritmo no jogo para mexer na equipa, tirando Wendel e Jesé e lançando Bolasie e Rafael Camacho. Vítor Oliveira não quis ficar atrás e trocou Sandro Lima por Naidji.

Tal como na primeira parte, o Sporting voltou a mostrar dificuldades em criar perigo junto da baliza de Denis e nem as mudanças de Silas contribuíram para espevitar a equipa - Eduardo rendeu Ilori na reta final.

Já depois de um momento caricato entre Hugo Miguel e Idrissa Doumbia - o árbitro expulsou o jogador, foi ao túnel chamá-lo de volta e acabou por anular o segundo amarelo - o Gil Vicente ainda teve tempo para festejar mais uma vez, num belo momento de Naidji. O avançado argelino arrancou em contra-ataque ainda no seu meio-campo, correu até à área, tirou dois adversários da frente e atirou para o terceiro dos gilistas.

Com esta vitória, o Gil Vicente ascendeu do 12.º ao sétimo lugar, com 16 pontos, enquanto o Sporting perdeu a oportunidade de se aproximar do quarto lugar do Famalicão, conservando o quinto com 20 pontos, menos quatro do que os famalicenses.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.