O Tribunal da Relação de Lisboa (TRL) decidiu hoje manter em prisão preventiva o português Rui Pinto, colaborador do Football Leaks, negando assim provimento ao recurso apresentado pela defesa do arguido.

“Face aos factos fortemente indiciados no processo e correspondentes crimes e havendo, caso fosse libertado, concretos perigos de fuga, de continuação da atividade criminosa e de perturbação do decurso do inquérito, só a medida detentiva aplicada se revela ser a adequada”, explicou à agência Lusa fonte do TRL.

Em prisão preventiva desde 22 de março, Rui Pinto, de 30 anos, foi detido na Hungria e entregue às autoridades portuguesas, com base num mandado de detenção europeu, estando indiciado pela prática de quatro crimes: acesso ilegítimo, violação de segredo, ofensa à pessoa coletiva e extorsão na forma tentada.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.