Na antevisão do jogo com o Famalicão, da 8.ª jornada da I Liga, Sérgio Conceição tentou explicar a expressão 'falta de alegria' que utilizou na análise do empate caseiro com o Rangers, para a Liga Europa. O técnico confessou que, se calhar, terá sido mal interpretado.

Falta de alegria contra o Rangers: "Passei no supermercado e comprei umas garrafas de alegria e prazer... Se calhar fui mal interpretado quando falei do prazer. Quando preparamos um jogo, preparamos a nível técnico e tático, percebemos o momento dos jogadores, e é importante trabalhá-los do ponto de vista emocional, para que esteja ao máximo. O mais difícil para um treinador é entrar na cabeça de cada um dos jogadores. Quando falei disso, tenho a certeza que todos os jogadores que compõem o plantel do FC Porto querem dar o seu máximo. Por vezes, o que é planeado do ponto de vista estratégico, entra numa importância maior do que simplesmente jogar futebol. Dentro dessa estratégia, tem que estar a essência do futebol, que é a paixão pelo jogo. Não quis dizer que os jogadores andam de cabeça baixa. É preciso soltar cá para fora o talento num jogo de futebol. Para mim, não há cinco momentos no futebol, mas há um sexto, que é a imprevisibilidade de um jogador."

Importância dos suplentes: "Já revelei muitas vezes a importância dos jogadores que entram e que são uma mais-valia para a equipa. Tenho a ideia, que especialmente esta época, os jogadores que entraram em jogo foram sempre preponderantes. É verdade que este ano tivemos uma entrada de jogadores do banco muito positiva, mas que ainda não fizeram golos, mas isso é coincidência. Olhamos para a concretização do FC Porto e digo que este é o ano em que temos mais oportunidades por jogo. Há ciclos em que meia oportunidade se faz um golo e ciclos em que cinco oportunidades e não se faz".

Dependência das individualidades: "Tenho ideia que os jogadores que entram no jogo são sempre preponderantes, com golos ou assistências. Mas também é verdade que os nossos suplentes ainda não fizeram golos, mas acredito que seja uma coincidência. Temos olhado para a concretização do FC Porto, e se calhar este é o ano em que temos mais oportunidades por jogo. Há ciclos em que em meia oportunidade se marca, e outros em que em cinco não se faz. Cabe-nos trabalhar e fazer com que esses dados sejam diferentes brevemente."

O FC Porto recebe o Famalicão este domingo às 17h00, num jogo que poderá dar a liderança aos 'dragões' em caso de vitória. O Famalicão é o atual líder da Primeira Liga.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.