O Sporting cumpriu e venceu, este sábado, na receção ao Vitória de Guimarães, por 2-0. A vitória dos leões no encontro da 31.ª jornada da I Liga é incontestável, mas ficou marcado por uma decisão de arbitragem que poderia ter ditado um início de encontro diferente. Mas já lá vamos.

O resultado até acabou por ser escasso dado o futebol apresentado pela equipa de Alvalade. Os golos, esses, tiveram um toque brasileiro e foram marcados, primeiro, por Raphinha, aos 39 minutos, num lance em que Acuña cometeu falta sobre Rochinha alguns instantes antes, e o segundo a começar no extremo ex-Vitória que ofereceu a Luiz Phellype, aos 51.

O Jogo: Sporting entrou adormecido, mas cedo assumiu o controlo do jogo

Em relação às equipas iniciais, Marcel Keizer promoveu o regresso de Renan Ribeiro, que cumpriu um jogo de castigo por cartão vermelho direto no encontro com o Desportivo das Aves, e de Raphinha, que também viu o quinto amarelo na I Liga na deslocação à Vila das Aves, assim como Wendel, mas este depois de ter sido punido internamente pelo clube, deixando Salin e Jovane Cabral no banco, enquanto Gudelj, castigado, viu o jogo da bancada.

Já Luís Castro, treinador do Vitória de Guimarães, viu-se privado dos médios Mattheus Oliveira, por estar emprestado pelo clube de Alvalade, e do lesionado André André, lançando no onze Ola John e Tozé para os seus lugares. Por opção, Alexandre Guedes ficou no banco de suplentes e deu lugar a Rochinha na frente de ataque.

O Sporting entrou um pouco adormecido na partida e demorou algum tempo a assumir o controlo do jogo, face à pressão inicial dos minhotos. Ainda assim, os 'leões' desperdiçaram inúmeras oportunidades para inaugurarem o marcador, algo que aconteceu apenas no final do primeiro tempo. Já os homens de Luís Castro apenas assustaram Renan por uma vez nos primeiros 45 minutos.

A primeira equipa a criar algum perigo, ainda que relativo, foi mesmo o Vitória de Guimarães. Davidson não conseguiu dominar a bola quando se encontrava, praticamente, na 'cara' do guarda-redes 'leonino', após um passe de Ola John a 'furar' toda a defensiva. Depois deste lance, o Sporting 'acordou' e criou muitas oportunidades de glo, algumas delas que embateram quer no ferro quer na trave da baliza defendida por Miguel Silva.

Diaby foi o primeiro a tentar a sorte com remate à malha lateral, porém foram as duas bolas na barra, a primeira precisamente por Raphinha, e a segunda pelo compatriota Luiz Phellype, a colocarem ainda mais ansiedade em cima da equipa.

Bruno Fernandes, como de costume, comandava todo jogo 'leonino' e foi dos seus pés que saiu o passe para o ex-Vitória fazer ruir o castelo vimaranense construído. Raphinha, à passagem do minuto 39, recebeu a bola, esperou que Miguel Silva caísse para, depois, voltar a ganhar ângulo e atirar forte para o fundo da baliza.

Foi na sequência deste lance que se gerou muita contestação do lado dos vimaranenses. A equipa forasteira protestou uma falta de Acuña sobre Rochinha no início da jogada, mas nem Rui Costa, árbitro principal, nem depois o vídeoárbitro Vasco Santos assinalaram a falta.

Os protestos alastraram-se ao banco de suplentes do Vitória de Guimarães que ficou sem dois elementos da estrutura, Flávio Meireles e Moreno, que receberam ordem de expulsão, após terem protestado veemente na sequência do golo sofrido.

O Sporting entrou no segundo tempo à procura de consolidar a vantagem e foi o que conseguiu através de Luiz Phellype, o mais recente homem-golo da equipa leonina. Raphinha voltou a ser decisivo a atacar pela direita, desequilibrando por completo o adversário e a assistindo o compatriota brasileiro para o tento da tranquilidade, aos 51 minutos. Foi o sexto golo do avançado em cinco jogos na I Liga.

Tanto Raphinha como Bruno Fernandes não desistiram de tentar chegar, pelo menos, ao terceiro golo, com remates ao lado da baliza de Miguel Silva, enquanto Luís Castro via a sua equipa a recuar cada vez mais no terreno, sem agressividade na reação à perda da bola e nem a entrada de Alexandre Guedes trouxe frescura ao ataque.

Quando faltam apenas três jogos até final do campeonato, o Sporting, terceiro, com 70 pontos, tem agora uma 'almofada' confortável sobre o quarto classificado Sporting de Braga (64), que este domingo recebe o vice-líder da competição, o Benfica. Já a formação vimaranense mantém-se no sexto posto, com 45.

Momento do jogo: golo polémico de Raphinha

Passe longo do capitão Bruno Fernandes, com grande trabalho do brasileiro na área vimaranense, a conseguir livrar-se de Miguel Silva e a atirar a contar para o fundo das redes. No entanto, o golo foi muito contestado quer pelos jogadores do Vitória de Guimarães quer pela equipa técnica que reclamavam uma falta de Acuña sobre Rochinha no lance anterior. Os vimaranenses tinham razão na falta que Rui Costa, nem o VAR Vasco Santos, deixou por marcar, mas a equipa de Luís Castro  voltou a ter bola, antes de Bruno Fernandes a recuperar e a fazer a assistência para o golo. Nestes casos, segundo diz o protocolo, o VAR não deverá intervir.

Melhores

Raphinha

Contra a antiga equipa, o extremo esteve nos dois golos do Sporting. Primeiro a abrir o marcador a passe de Bruno Fernandes, não celebrando o golo marcado e até pedindo desculpas, e depois a assistir Luiz Phellype para o segundo da tarde em Alvalade. Foi uma permanente dor de cabeça, primeiro para Rafa Soares, depois para Florent Hanin.

Bruno Fernandes

Raphinha fez uma exibição de luxo, mas o capitão continua a demonstrar porque é o maestro desta equipa. Organizou com muita qualidade as ações ofensivas leoninas, com passes bem medidos para as alas ou com investidas de rotura a provocar desequilíbrios na defesa minhota. Procurou fazer o golo, tendo mesmo atirado uma bola ao poste.

Luiz Phellype

Exibição q.b. de Luiz Phellype. Não fez uma grande exibição, mas estava no sítio certo para desviar uma boa jogada conduzida por Raphinha. E vão seis golos em cinco jogos para o campeonato. Alguém deu por falta de Bas Dost?

Doumbia

Sem Battaglia, há muito lesionado, e com Gudelj castigado, o médio costa-marfinense assumiu-se como a unidade mais recuada do meio-campo leonino. E com uma exibição muito consistente. Recuperou muitas bolas.

Miguel Silva

Sem culpas nos golos, Miguel Silva foi evitando sempre com boas defesas o primeiro golo do Sporting e impediu que existisse um resultado ainda mais volumoso.

Piores

Yordán Osorio

Jogo para esquecer do internacional venezuelano. Muito intranquilo, à semelhança da restante faixa defensiva dos vitorianos, ficou ligado ao primeiro golo da partida com uma perda de bola em zona proibida.

Davidson

Não teve o engenho nem a classe para receber um grande passe de Ola John que poderia ter dado a vantagem na partida aos vimaranenses. Já na reta final do encontro, voltou a desperdiçar a ter o golo nos pés, acertando mal na bola

Reações

Marcel Keizer: "Estamos sólidos neste momento"

Raphinha justifica ausência de festejos: "Devo tudo ao Vitória de Guimarães, é um clube pelo qual tenho muito carinho"

Miguel Silva: "As imagens são claras, toda a gente viu o que aconteceu"

Luís Castro: "Temos de ir pelo factual, há uma falta e deveria ter sido marcada"

Júlio Mendes sobre a arbitragem em Alvalade: "É isto que me surpreende no futebol. Não haver pessoas que não corem de vergonha com o que se passa"

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.