Marc Fratani trabalhou com Bernard Tapie, antigo presidente do Marselha, durante 30 anos, mas os dois estão de costas voltadas há algum tempo. Em entrevista ao jornal francês 'Le Monde', Fratini confirmou práticas de corrupção no Marselha quando o segundo era presidente.

Fratani contou que os dirigentes do Marselha compraram árbitros e drogaram jogadores do PSG: "Taipe é uma pessoa que não tem limites. Para chegar a algum lado é capaz de qualquer coisa. Uma vez participei no suborno a um árbitro. Foi num jogo com o PSG em Paris. No dia seguinte, encontrei-me com ele no local discreto que tínhamos combinado. Naquele jogo, os jogadores do PSG foram desestabilizadados com o uso de uma droga psicotrópica: Haldol. Usámos seringas ultra finas, e o produto foi injetado nas garrafas de água."

A presidência de Tapie no Marselha coincidiu com a notoriedade europeia dos "olympiens", mas agora confirmaram-se as suspeitas de suborno.

Outro episódio estranho envolveu avançado Mario Baltazar e Pascal Rousseau. Os dois jogadores beberam um sumo de laranja no hotel, que os fez terem adormecido durante a viagem entre Marignane e Marselha. O Rennes, clube dos dois atletas, acabaria por perder o jogo por 5-1. Baltazar foi também vítima de um acidente de carro em Rennes.

Taipe já reagiu às declarações de Fratini e pede que este, se quer confirmar a sua teoria, indique o nome do árbitro em questão.

"Há idiotas que vão querer acreditar nisto porque lhes agrada, há outras pessoas que terão consciência. Se ele comprou um árbitro, deve dizer o seu nome, dizer onde, quando e quem lhe deu o dinheiro... Não tenho mais comentários a fazer", atirou Taipe.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.