Vamos por partes. Até porque não outra forma de refletir sobre este Sporting-Arsenal. 'Leões' e 'gunners' entraram em campo, nesta quinta-feira, com o mesmo número de vitórias para a presente edição da Liga Europa e com o mesmo número de pontos, daí a liderança partilhada do grupo E. Duas equipas que iniciaram a presente temporada em processo de reconstrução, ainda que por razões diferentes. E a verdade é que os pontos de equilíbrio entre Sporting e Arsenal ficaram claros durante parte do confronto em Alvalade. José Peseiro e Unai Emery apostaram em estratégias semelhantes - tentar condicionar a construção do adversário com pressão alta -, o que levou a um jogo, até certo ponto, repartido.

Assim que a ousadia da equipa 'leonina' deu lugar ao cansaço, muita coisa mudou: zero remates enquadrados com a baliza, vários passes falhados, menos velocidade e criatividade do que o conjunto londrino, que foi aproveitando os espaços nas costas da linha defensiva contrária para criar perigo. O golo de Danny Welbeck, aos 77 minutos, chegou na sequência de um erro individual de Sebastián Coates, mas numa altura em que o Sporting já se vinha a perder no plano coletivo.

Os primeiros 45 minutos foram o melhor período dos 'leões' no jogo, quiçá na temporada, com o treinador português a apresentar um meio-campo reforçado, com três jogadores de características defensivas (Petrovic, Battaglia e Gudelj) e Bruno Fernandes encostado ao flanco esquerdo. Durante essa fase, os homens da casa conseguiram estancar as investidas de um adversário que chegava com o notável registo de 32 golos em 12 jogos, mas que parecia acusar a ausência de alguns titulares, entre eles o alemão Ozil.

Marcos Acuña, por sua vez, procurava criar alguns desequilíbrios interessantes no corredor esquerdo e permitia os movimentos interiores de Bruno Fernandes, mas as aproximações à baliza de Leno pediam outro tipo de definição. Remates com perigo só mesmo quando Nani, de fora da área, atirou a rasar a trave aos 31 minutos. Ainda antes do intervalo, o Sporting viu o árbitro deixar passar em claro um agarrão de Sokratis a Montero, quando o avançado colombiano se preparava para ficar isolado na cara do guardião do Arsenal, e ficou sem Ristovski devido a lesão (entrou Bruno Gaspar, que ficaria em aquecimento durante o descanso).

A segunda parte trouxe um Sporting a acusar o desgaste físico e psicológico da primeira metade, sem pedalada para acompanhar a equipa de Unai Emery, que não só aumentou a percentagem de posse de bola, como acrescentou dinâmica e assertividade ao seu processo ofensivo. Depois do cabeceamento perigoso de Montero (47'), após livre de Nani, os 'leões' recuaram, dando espaço ao adversário para se instalar no seu meio-campo.

Peseiro: "Se houvesse VAR, com certeza que não perderíamos este jogo"
Peseiro: "Se houvesse VAR, com certeza que não perderíamos este jogo"
Ver artigo

Até ao golo de Welbeck foram várias as oportunidades do Arsenal: Aubameyang 'esbarrou' duas vezes em Renan Ribeiro - uma estreia nas provas da UEFA - e André Pinto foi providencial ao desviar para canto um remate do avançado inglês, que fazia a bola encaminhar-se para a baliza. E já depois do golo anulado, por falta nas costas sobre Bruno Gaspar, Welbeck (77') aproveitou um deslize de Coates - falhou no corte à bola (aparentemente) vinda do calcanhar de Aubameyang -, e partiu isolado para a baliza, confirmando a superioridade dos londrinos naquele segundo tempo (e que se manteve até ao apito final). No final da partida, José Peseiro questionou a legalidade do lance, defendendo que o gabonês não conseguiu o toque na bola que colocaria o companheiro em linha.

Já estava Jovane Cabral em campo e ainda entraria Diaby aos 85’, mas o Sporting já não teve forças e discernimento para, pelo menos, chegar ao empate. A derrota, por 1-0, colocou um ponto final numa série de 28 jogos sem perder no Estádio de Alvalade, tendo sido também o resultado do último jogo que a equipa 'leonina' perdera no seu reduto, frente a outro 'tubarão' - o Barcelona. E com isto deixou de haver liderança partilhada no grupo E.

A figura

Renan Ribeiro: Titular frente ao Loures, voltou a ser aposta de José Peseiro para a receção ao Arsenal. Foi respondendo como pôde às investidas de jogadores como Aubameyang e Mkhitaryan, com destaque para a excelente intervenção na cara do gabonês aos 49 minutos, numa altura em que o Arsenal carregava sobre o Sporting. Sem culpas no golo de Welbeck.

Reações

José Peseiro: "Tenho de estar contente com os meus jogadores"

Bruno Gaspar: "Batemo-nos bem, mas tivemos infelicidade no golo"

Renan Ribeiro: "Apuramento? Não está nada perdido"

Gudelj: "Queríamos ganhar este jogo"

Unai Emery: "Concedemos poucas oportunidades ao Sporting e o resultado de hoje é justo"

Torreira desvaloriza erro de Coates: "São situações do jogo..."

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.