Cristiano Ronaldo fez, na manhã desta segunda-feira, a antevisão do jogo com o Lokomotiv Moscovo, da 3.ª jornada da Liga dos Campeões. Algo inesperado, já que o craque muito raramente aparece nas conferências de imprensa de antevisão das partidas.

Na conversa com os jornalistas, o craque da Juventus falou do crescimento da equipa orientada por Maurizio Sarri, dos objetivos coletivos e individuais.

"Queremos vencer campeonato, Taça e Champions. A Juventus deve pensar em grande. Não quero dizer nada sobre o aspeto individual, não é o que conta. Se se conseguem prémios coletivos, que são os mais importantes, chegam depois os individuais. No ano passado fizemos uma grande época e nesta queremos fazer uma ainda melhor. Uma vitória amanhã vai colocar-nos mais perto dos oitavos de final", sublinhou.

Outro tema da conversa foi a idade e os 701 golos do internacional português. Cristiano Ronaldo garante que a idade "é só um número" mas sublinha que qualquer jogador da Juventus pode fazer a diferença.

"[Os 701 golos] é passado, agora quero concentrar-me em ajudar a Juventus. A idade é apenas um número. Consigo demonstrar isso através das exibições. Ter 34, 35 ou 36 anos não significa necessariamente que se está perto do fim da carreira. Com as minhas prestações tenho demonstrado que não conta, ainda posso fazer a diferença. Mas também Dybala e Higuain são jogadores essenciais na equipa, como Cuadrado ou Bernardeschi. Todos podem fazer a diferença", disse.

Na conferência de imprensa do jogo com o Lokomotiv Moscovo, onde vai reencontrar João Mário e Éder, companheiros na seleção de Portugal, o capitão de Portugal falou da mágoa com a imprensa "quando não dizem a verdade".

"Fico magoado quando não dizem a verdade. No futebol não há muitas coisas que se diga que me deixem zangado, é a indústria e faz parte do jogo. Estou neste mundo desde os 17 anos e sei bem o que vende. Todos podem criticar e exprimir opinião, mas desde que se fale de futebol não tenho problemas", sublinhou.

Ronaldo considerou que, com Sarri no comando técnico desde o início da temporada, a equipa tem melhorado e admitiu que tem mais liberdade no ataque desde a chegada do novo treinador.

“Temos cada vez mais confiança em nós. Estamos a jogar um futebol diferente, mais ofensivo. O meu papel não mudou, mas talvez tenha mais liberdade. Temos um treinador diferente, um sistema diferente, novos jogadores e estamos a melhorar. Isso agrada-me”, referiu.

O avançado português assumiu que está a passar uma boa fase na Juventus, tanto a nível pessoal como profissional, e que continua motivado para continuar a jogar.

"O que me deixa satisfeito é ganhar, voltar para casa e ver os meus filhos felizes. Esta é a minha motivação para entrar em campo e dar o máximo", garantiu.

Na sua segunda época no emblema de Turim, Ronaldo leva cinco golos marcados em nove jogos na Serie A e na Liga dos Campeões.

A Juventus recebe o Lokomotiv Moscovo esta terça-feira às 20h00, num jogo que será dirigido pelo grego Sidiropoulos. A equipa campeã italiana lidera o Grupo D com quatro pontos, os mesmos do Atlético Madrid.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.