É a Taça mais desejada da Europa - e ambicionada por todos os clubes da Europa. Muitos adeptos no seu íntimo, ou mesmo durante o sono, esperam - mesmo que em sonhos - que o respetivo clube possa levantar aquele troféu de prata - a 'orelhuda' como muitos a chamam - que pesa 8 quilos e mede cerca de 73,5 de altura.

Mas nem sempre foi o este o troféu que premiou o vencedor da prova mais importante da UEFA a nível de clubes.

Especial Liga dos Campeões: Acompanhe todas as decisões com o SAPO Desporto! 

O primeiro troféu foi atribuído em 1956, na primeira edição da antiga Taça dos Campeões Europeus. A Taça original foi doada pela publicação francesa L´Equipe, um troféu que viria a ficar permanentemente na posse do Real Madrid em março de 1967, isto depois dos merengues terem sido o primeiro clube a somar seis triunfos na competição. O troféu original chegou a ser levantado por duas vezes pelo Benfica, depois do clube da Luz ter vencido a competição em 1961 e 1962.

Béla Guttman com Mário Coluna e Eusébio da Silva Ferreira após a conquista da Taça dos Clubes Campeões Europeus de 1962
Béla Guttman com Mário Coluna e Eusébio da Silva Ferreira após a conquista da Taça dos Clubes Campeões Europeus de 1962. créditos: D.R.

Até que surgiu a 'orelhuda' em 1967. O troféu de substituição acabou por ser encomendado pela UEFA, por intermédio do Secretário-geral da UEFA Hans Bangerter ao joalheiro suíço Jörg Stadelmann, com o custo na altura a rondar os dez mil francos suíços.

"Lembro-me que o troféu tinha que estar terminado antes de 28 de Março", relembrou Stadelmann "porque ia casar e levar a minha mulher a Los Angeles, numa viagem de barco que ia durar dez dias. O troféu demorou 340 horas até estar acabado. Fiz o melhor trabalho possível, que depois foi concluído pelo gravador Fred Bänninger."

Produção do troféu

Há mais de 25 anos que as réplicas do troféu - que se distingue pelas enormes pegas e orelhas - saem por intermédio da supervisão do italiano Guerrino Giorgi.

Veja o vídeo da produção do troféu aqui

A 'GDE Bertoni' comeeçou a fabricar a troféu há mais de 40 anos atrás, quando filho e pai geriam o negócio na altura. A empresa ganhou notoriedade quando conseguiu o concurso para produzir as medalhas para os Jogos Olímpicos de Roma em 1960. Mas para além disso, produz de tudo, desde o botões de latão utilizados pela Federação Italiana de Golfe até aos crachás utilizados pelos guarda prisionais em Itália.

Ainda assim, a relação com a UEFA é duradoura, e produzem hoje troféus e medalhas para várias competições tanto nos escalões juniores como na variante feminina. O troféu original é feito de prata, mas a réplica é feita de 'brass' ou latão e é a que fica na posse dos clubes.

Em declarações à UEFA, o artista confessou que as asas ou orelhas da Taça é mesmo a fase mais complicada do processo. "São precisos 15 dias para fazê-las", afirmou, sem antes revelar o orgulho por ter em mãos essa tarefa.

"É muito difícil, mas é a minha paixão. É muito emocionante fazer este troféu", acrescentou.

Mas afinal, os clubes podem continuar com o troféu na sua posse?

Em 1968/69 foi instituída uma regra em que um clube poderia ficar com a Taça permanentemente caso vencesse a competição cinco vezes ou três vezes seguidas. Contudo, o regulamento (artigo 11.1) acabou por ser alterado na época de 2008/09  e segundo a UEFA "o troféu original, que é utilizado para a cerimónia oficial de apresentação da final e noutros eventos oficiais aprovados pela UEFA, é sempre propriedade da UEFA. Uma réplica do troféu em tamanho real, o troféu de vencedor da UEFA Champions League, é entregue ao clube vencedor."

Cinco clubes terão ficado na posse do troféu original até à mudança da regra: São eles: O Real Madrid (recebeu o troféu original em 1967 - antigo design), o Ajax (terceiro título consecutivo em 1973), Bayern (terceiro título consecutivo em 1976), o AC Milan (quinto título em 1994) e o Liverpool (quinto título em 2005).

O Celtic de Glasgow da Escócia foi o primeiro clube a receber o novo troféu em 1967, curiosamente numa final disputada em Portugal no estádio do Jamor frente ao Inter. Os escoceses venceram por 2-1.

Veja as imagens

Para além da Taça, há alguns clubes que podem ostentar na competição o chamado escudo de honra, uma distinção que está apenas ao alcance de poucos. Só clubes que tenham cinco triunfos ou três triunfos consecutivos na Champions podem ostentar esse símbolo. O Barcelona foi a última equipa a entrar para esse clube em 2015, ao alcançar o seu quinto título.

Os vencedores do troféu também podem ostentar no ano seguinte o chamado 'title-holder logo', como símbolo por serem os campeões reinantes. Foi ao FC Porto que coube a honra de estrear este símbolo na camisola depois de ter vencido a competição em 2003/04.

Especial Liga dos Campeões: Acompanhe todas as decisões com o SAPO Desporto! 

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.