A Fiscalía de Seguridad Vial, autoridade de segurança rodoviária espanhola, aconselhou o Tribunal de Alcalá de Guadaíra, em Sevilha, a arquivar o processo do acidente que tirou a vida ao antigo jogador do Benfica.

O relatório do acidente concluiu que, o carro em que seguia o antigo jogador do Benfica ia a 187 km/h, pelo menos, quando se deu o despiste, provocado pelo rebentamento de um pneu. O MP considera que Reyes foi o responsável penal pelo acidente por conduzir em excesso de velocidade.

Sendo assim, Reyes seria imputado com os crimes de homicídio com imprudência grave (pela morte do primo) e lesões por imprudência grave (provocadas a um terceiro tripulante). No entanto, o Ministério Público espanhol defende que, tendo em conta que Reyes não sobreviveu e não pode ser punido, o processo deve ser arquivado.

O acidente que vitimou Reyes e um primo do avançado espanhol, de 23 anos, e deixou ferida com gravidade uma terceira pessoa, ocorreu às 11:40 do dia 1 de junho (10:40 em Lisboa), numa autoestrada entre Sevilha e Utrera, localidade onde nasceu, tendo o carro em que circulava sofrido um despiste, incendiando-se de seguida, de acordo com a agência EFE.

Reyes, que atuou esta temporada no Extremadura, da segunda divisão espanhola, jogou no Benfica na época 2008/09, por empréstimo do Atlético de Madrid, tendo disputado 35 jogos e marcado seis golos ao serviço da equipa lisboeta, pela qual conquistou a Taça da Liga, tendo marcado um golo na final, frente ao Sporting.

O avançado, que tem 21 internacionalizações pela seleção de Espanha, nas quais marcou quatro golos, conquistou por cinco vezes a Liga Europa e venceu uma Supertaça europeia, tendo-se ainda destacado no Arsenal, no qual conquistou um título de campeão inglês e uma Taça de Inglaterra.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.