Portugal procura na terça-feira reforçar o segundo lugar do Grupo B de qualificação para o Euro2020 e aproximar-se da líder Ucrânia, na deslocação a Vílnius, para defrontar a Lituânia, última classificada do agrupamento.

Uma vitória no primeiro confronto oficial de sempre com os lituanos garante o reforço do segundo posto, que vale o apuramento direto, e a manutenção da corrida ao primeiro, ocupado pela Ucrânia, com mais oito pontos, mas mais dois jogos disputados.

O triunfo de sábado em Belgrado perante a sérvia (4-2), o primeiro neste apuramento, deixou os campeões europeus com caminho livre para chegar à fase final do próximo Europeu, sem ter de passar pelo ‘play-off', um ‘plano B' que garantiu com a boa campanha na Liga das Nações.

Com dois empates, alcançados nas duas primeiras jornadas no Estádio da Luz, frente a Ucrânia (0-0) e Sérvia (1-1), Portugal ameaçou acabar os três primeiros jogos sem vitórias, como na corrida ao Europeu de 1988, mas ‘emendou’ a trajetória.

Atrás da seleção lusa, que soma cinco pontos, estão, a um ponto e com mais um jogo, a Sérvia e o Luxemburgo, sendo que os luxemburgueses, que ainda não defrontaram Portugal, não parecem ter condições para entrar na luta pelo apuramento.

O jogo de terça-feira será o primeiro de sempre da seleção lusa na Lituânia e poderá também marcar novo recorde de Cristiano Ronaldo, que vai somar a sua 160.ª internacionalização ‘AA’.

Caso marque no relvado sintético do LFF Stadionas, em Vílnius, o avançado português torna-se o segundo jogador na história do futebol a alcançar a marca dos 90 golos pela sua seleção, de acordo com os números da FIFA. Só o iraniano Ali Daei conseguiu tal feito (acabou a carreira com 109).

Nelson Semedo, que saiu lesionado do duelo com os sérvios, dificilmente estará em condições de ser utilizado perante a Lituânia, com João Cancelo a espreitar um lugar no ‘onze'.

Apesar dos três dias de intervalo, com uma viagem pelo meio, o selecionador Fernando Santos não deverá mexer na estrutura da equipa, sobretudo no trio da frente, composto por Bernardo Silva, Gonçalo Guedes e Cristiano Ronaldo, que deu nas vistas em Belgrado.

Fica a dúvida se João Félix irá continuar no banco de suplentes e se Bruno Fernandes manterá o lugar no ‘onze', depois de ter estado algo apagado com a Sérvia.

Por seu lado, a Lituânia vem de uma pesada derrota caseira com a Ucrânia (3-0) e reforçou o estatuto de equipa mais fraca do grupo, com apenas um ponto somado em quatro jogos. O melhor que conseguiu foi um empate (1-1) no seu terreno com o Luxemburgo.

Sob o comando de Valdas Urbonas, a seleção lituana é composta por futebolistas que atuam no seu próprio país ou então em escalões secundários no estrangeiro, com Fedor Cernych, o ‘capitão’, a apresentar o melhor currículo.

O avançado de 28 anos, que nasceu em Moscovo, deu nas vistas no futebol polaco e atua agora no Orenburg, da Rússia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.