Opinião

21-04-2016 15:54

UEFA Futsal Cup – Final Four 2016

O cronista do SAPO Desporto faz a antevisão da Final Four da Uefa Futsal Cup, a maior competição de clubes da Europa.
Foto: SAPO Desporto

Rodrigo Pais de Almeida opina no SAPO Desporto

Por Rodrigo Pais de Almeida sapodesporto@sapo.pt

Disputa-se nos próximos 3 dias (22 a 24 de Abril) em Guadalajara (arredores de Madrid, Espanha), a Final Four da Uefa Futsal Cup a maior competição de clubes da Europa a que os menos familiarizados com a modalidade apelidam de Champions League do Futsal, e assim é, a prova que reúne os Campeões Nacionais dos países da confederação Europeia (UEFA).


Uma nota inicial para referir que não está presente o Campeão em titulo a equipa do Cazaquistão Kairat Almaty que foi eliminada na ronda de Elite (pelos Russos do Ugra Yugorsk) e que não poderá defender o seu titulo que brilhantemente conquistou em 2015 em pleno MEO Arena/Lisboa ante a equipa espanhola do Barcelona. Outra nota de destaque por estarem presentes os campeões das quatro maiores potências europeias na modalidade, a saber Inter Movistar (Espanha), Pescara (Itália), Ugra Yugorsk (Rússia) e Benfica (Portugal).


Inter Movistar (Espanha)


A “máquina verde” como é chamada tem além de um plantel de enorme qualidade e onde pontificam os Portugueses Cardinal e Ricardinho (o melhor jogador do mundo), o facto de ser o anfitrião é um dado que pode ser determinante nesta Final Four da competição, onde os ruidosos adeptos irão encher certamente os cerca de 5.200 lugares do Multiusos de Guadalajara.


Uma equipa recheada de estrelas da seleção espanhola recentemente coroada como campeã da Europa como Jesus Herrero, Ortiz, Pola, Rivillos, secundados pelos brasileiros Darlan, Humberto, Daniel Japonês e pelos Portugueses Cardinal e Ricardinho, o Inter Movistar é o grande favorito à conquista do cetro europeu que já conquistou por três ocasiões.


O destaque vai naturalmente para o internacional português, Ricardinho que anseia pela competição para repetir a conquista de 2010 ao serviço do Benfica. O melhor jogador do mundo da atualidade, vai com toda a certeza ser um dos protagonistas mor deste fim de semana de competição.


Ugra Yugorsk (Rússia)


Apesar de ter um historial curto enquanto clube com apenas um titulo nacional, o clube da capital Russa do Gás possui um plantel de fazer inveja a qualquer um dos outros finalistas e são o grande opositor da equipa da casa para chegar ao titulo europeu. Com Káka ao leme, treinador com vasta experiência europeia enquanto jogador, esta equipa destronou o Dinamo Moscovo no ultimo campeonato russo e conta hoje em dia com o apoio do patrocinador local (a famosa Gazprom) para fazer deste Ugra a melhor equipa europeia da modalidade.


Com a baliza entregue a Kupatasdze (internacional da Geórgia), o Ugra conta com três internacionais brasileiros, Katata, Marcêncio e Caio, e a base da seleção russa vice campeã da Europa com Robinho, Éder Lima, Lyskov, Shayakhmetov e Davidov, não é de estranhar a facilidade demonstrada a eliminar o campeão em titulo Kairat Almaty na ronda de elite da competição. O destaque além de Robinho vai naturalmente para Eder Lima, que com 13 golos até ao momento é o melhor marcador da prova e que certamente vai querer apagar neste fim de semana um Campeonato da Europa onde esteve muito afastado da sua valia.


Pescara (Itália)


O campeão italiano em titulo tem no seu treinador uma cara muito conhecida da modalidade e que já conquistou o troféu causando surpresa no ano de 2011 pelo Montesilvano. Fulvio Colini foi considerado há 5 anos atrás o melhor treinador do mundo já conquistou por quatro vezes o Scudetto com a curiosidade de o ter feito sempre em equipas diferentes o que demonstra bem a influência e a capacidade deste “veterano” treinador Italiano.


Com um jogo tipicamente à “italiana”, privilegiando os aspetos defensivos do jogo e tentanto dessa competência fazer a sua arma forte, o Pescara sofreu um rude golpe nos últimos dias com o afastamento de uma das suas maiores estrelas Mauro Canal, que tudo indica não poderá estar presente na fase decisiva da Uefa Futsal Cup. Ainda assim, o Pescara tem um plantel de enorme qualidade onde pontificam tr~es internacionais brasileiros (Betão, Rogério e Grello), três internacionais Argentinos (Borruto, Rescia e Cuzzolini) um internacional Paraguaio (Salas) e vários internacionais italianos (Capuozzo, Canal, Caputo, Ercolesi e Leggiero).


Destaque para Betão internacional Brasileiro e um dos melhores Pivots mundiais há vários anos consecutivos que dota esta equipa italiana de forte presença na área do adversário, mas também de uma profundidade no jogo que a mesma não possuía antes da sua chegada além da capacidade de finalização que o mesmo é dotado.


Benfica (Portugal)


Os comandados de Joel Rocha não tiveram vida fácil na ronda de elite onde apenas nos segundos finais foram capazes de carimbar o passaporte para esta fase final da Uefa Futsal Cup. O Benfica chega a esta fase da Uefa Futsal Cup com a ambição de conquistar pela segunda vez o cetro europeu (ganhou pela primeira vez em Lisboa ante o Inter Movistar a 25 de Abril de 2010), um caminho muito difícil onde encontrará nas meias finais da prova a poderosíssima equipa russa do Ugra Gazprom.


A equipa do Benfica conta na baliza com o esteio da mesma, Juanjo, internacional Espanhol e que vai na sua segunda época em Portugal onde se tem cotado como o melhor Guarda Redes e responsável por muitos pontos do clube encarnado. Na mesma posição conta também com Bébe, um dos resistentes da celebre equipa de 2010 com o capitão Gonçalo Alves. O plantel do Benfica é com certeza o menos consagrados dos presentes, mas conta ainda assim com muitos internacionais portugueses (Bébe, Gonçalo, Ré, Mario Freitas, Bruno Coelho, Fábio Cecilio), dois internacionais Argentinos (Brandi e Fernando), um internacional Japones (Hemni) e um internacional Italiano (Patias, seu melhor marcador na prova), aos quais há que juntar a qualidade inigualável de Chaguinha.


O destaque da equipa do Benfica vai para o seu coletivo muito forte, uma equipa muito bem comandada e organizada, que vale pelo seu todo e muito mais do que a soma das qualidades individuais dos seus jogadores. Uma defesa sólida, solidária e compacta será importante para aguentar a ofensiva russa nas meias finais, sendo que a velocidade de Ré, Hemni, Bruno Coelho e companhia poderão no contra ataque dar o acesso á final. Não será fácil, mas para os Russos também não.

Opinião