Liga dos Campeões Liga dos Campeões

Imprimir A- A+

Celtic 0-0 Benfica

19 de setembro de 2012 22:35h

Nulo com muito suor e pouco brilho

Por João Paulo Godinho

O Benfica não foi além de um empate a zero com o Celtic na estreia na presente edição da Liga dos Campeões. Os encarnados lutaram bastante na Escócia, numa atuação sem grande brilho.

Nulo com muito suor e pouco brilho

Um ponto e pouco brilho na estreia nesta edição da Champions. Assim foi a atuação do Benfica esta noite em Glasgow, frente ao Celtic. O nulo final espelha bem as poucas ocasiões de golo num jogo com muito suor e pouca inspiração.

Numa equipa remendada após as saídas de Javi García e Witsel e as ausências de Luisão e Maxi, Jorge Jesus apostou em André Almeida para lateral direito – exibição regular do jovem português - e Enzo Pérez no papel outrora desempenhado pelo jogador belga. Uma equipa que ficou ‘orfã’ da agressividade que o quarteto de ausentes imprimia no jogo.

Em busca de uma nova identidade, o Benfica iniciou o jogo sob o sufoco do Celtic. Fortemente apoiados pelo seu público, os escoceses entraram a todo o gás, pressionando de forma intensa os encarnados. A única solução durante os primeiros minutos era “aguentar a carga” escocesa e tentar o contra-ataque.

Contudo, só aos 15 minutos é que o Benfica se mostrou, com um remate muito torto de Salvio. Estava dado o mote para o reequilíbrio no jogo. O Celtic dominava, mas raramente conseguia criar perigo. Já o Benfica dava a sensação de poder “abanar” o adversário quando saía em velocidade. Porém, a equipa de Jorge Jesus esteve algo insegura nas transições ofensivas e raramente conseguiu desequilibrar o anfitrião. 

Aos 32’, Rodrigo falhou a melhor ocasião encarnada, com o hispano-brasileiro a permitir a mancha do guardião escocês. O avançado ainda reclamou grande penalidade, mas o árbitro Nicola Rizzoli nada assinalou.

O intervalo chegou, com o resultado a mostrar-se justo. Após o recomeço, a equipa encarnada tentou chegar mais à frente, com Salvio e Gaitán a assumirem maior protagonismo. 

Jorge Jesus apostou então em forçar um pouco a luta pela vitória, lançando primeiro Cardozo, e depois Bruno César. O golo encarnado parecia então mais perto, com Gaitán e Garay a falharem duas boas ocasiões.

O cansaço começou a ser notório em algumas unidades e o jogo “partiu-se”. Havia mais espaço para jogar e criar perigo, mas ao cansaço juntou-se a falta de inspiração e discernimento das duas equipas. Só um erro podia desfazer o nulo, mas não houve nem perigo, nem erros. E nem Nolito, a última aposta do treinador do Benfica, conseguiu inverter o rumo do jogo.

O Benfica soma assim o primeiro ponto nesta Liga dos Campeões, num campo onde nunca conseguiu ganhar na sua história.

Leve o Desporto para todo o lado com o SAPO Desporto Mobile.

Fotos: 0 / 0

Comentários

Alertas futebol

Acompanhe todas as notícias de futebol com o serviço SAPO Alertas.

Subscrever