Futebol internacional

16-02-2017 17:27

Futebolistas correm elevado risco de demência? A FIFA diz que não há provas

A FIFA assegurou que não existe qualquer prova conclusiva de que os futebolistas profissionais sejam uma classe com elevado risco de desenvolver doenças cerebrais que possam causar demência.
%u201CTemos que moldar o Campeonato do Mundo ao s

A FIFA realçou que o futebol "não pertence aos desportos de alto risco no que diz respeito a lesões cerebrais".

Por SAPO Desporto c/ Lusa sapodesporto@sapo.pt

A FIFA assegurou esta quinta-feira que não existe qualquer prova conclusiva de que os futebolistas profissionais sejam uma classe com elevado risco de desenvolver doenças cerebrais que possam causar demência, como foi indicado por um estudo divulgada na quarta-feira.

“Não há qualquer evidência de que a prática do futebol possa causar danos cerebrais”, indicou a FIFA em comunicado, acrescentando: “Os resultados dos estudos sobre a relação entre a prática do futebol de alta competição e o funcionamento do cérebro são inconclusivos”.

A FIFA acrescenta ainda que, “felizmente, o futebol não pertence aos desportos de alto risco no que diz respeito a lesões cerebrais”.

Na quarta-feira, um estudo divulgado na revista Acta Neuropathologica mostrou que os futebolistas profissionais são uma classe com elevado risco de desenvolver doenças cerebrais, que podem causar demência.

O estudo analisou 14 futebolistas aposentados e com sintomas de demência que começaram a jogar futebol na infância ou juventude.

Exames ‘post mortem’ realizados a seis futebolistas mostraram que quatro deles tinham sinais de Encefalopatia Traumática Crónica (CTE), um distúrbio cerebral também observado em antigos praticantes de futebol americano e pugilistas.

Helen Ling, a diretora do estudo, considerou que “há uma necessidade premente de identificar o risco”, acrescentando: “É necessário um estudo em grande escala, com a cooperação da federação inglesa de futebol (FA) e da FIFA”.

Conteúdo publicado por Sportinforma